Resenha. Delegado Avilar(Trilogia Homens da Lei livro1) – por Mari Sillva

Para o respeitado Delegado Avilar, a única coisa boa que restou do imenso amor por sua falecida esposa, foi uma linda menininha de cabelos ruivos, sua filha, Sofia, que foi roubada aos 6 meses de idade, debaixo dos seus olhos em questão de um minuto. Depois de anos de uma busca incansável, surge à pista de que a menina está sendo criada no Morro do Alemão, uma favela perigosa do Rio de Janeiro. Como sua filha tinha ido parar lá? É o que Ricardo quer saber, e não cansará até descobrir a resposta e tê-la de volta em seus braços, de onde nunca deveria ter saído.

Título: Delegado Avilar(Trilogia Homens da Lei livro1).
Autora: Mari Sillva
Editora: Independente
Compre na Amazon
Sinopse:
Para o respeitado Delegado Avilar, a única coisa boa que restou do imenso amor por sua falecida esposa, foi uma linda menininha de cabelos ruivos, sua filha, Sofia, que foi roubada aos 6 meses de idade, debaixo dos seus olhos em questão de um minuto. Depois de anos de uma busca incansável, surge à pista de que a menina está sendo criada no Morro do Alemão, uma favela perigosa do Rio de Janeiro. Como sua filha tinha ido parar lá? É o que Ricardo quer saber, e não cansará até descobrir a resposta e tê-la de volta em seus braços, de onde nunca deveria ter saído.

Júlia Helena é uma mulher honesta, batalhadora e moradora do Morro do Alemão com muito orgulho. Divide seu tempo entre estudar, cuidar de seu pai, irmão e de uma linda menina de seis anos a qual chama de filha e a ama mais que qualquer coisa no mundo. Jamais abriria mão dela, a doce Maria Lara, que apareceu na sua vida, repentinamente, curando feridas antigas…

A única coisa em comum entre Jùlia e Ricardo, é que ambos foram pegos por uma peça do destino. Ele tem direito sobre sua filha; Ela, o amor incondicional da pequena de cabelos ruivos. Mesmo se odiando, eles terão que entrar em um acordo em prol do bem-estar da menina. No entanto, por trás da raiva que sentem um pelo outro, existe uma atração fatal. O problema é que Delegado Avilar, é um homem extremamente romântico, mesmo depois de seis anos após a morte trágica da esposa ele ainda continua apaixonado por ela. Por outro lado temos a Marrenta do Morro do Alemão, mulher forte que vive de forma liberal, pega sem se apegar. Não acredita no amor, principalmente em “Finais felizes”.

Sendo terrivelmente abalado pela morte de sua esposa logo após o nascimento de sua filha, o delegado Ricardo Avilar ainda teria de conviver com o fato de ter o seu bem mais precioso longe, por cerca de seis anos.
Em um fim de semana comum em que costumava ir a feira com a filha, após um descuido, se deu conta de que o carrinho com a criança não estava mais ali.

Não tendo qualquer êxito em suas buscas, anos depois, Ricardo seria transferido para o Rio de Janeiro, onde através de uma intensa investigação, descobriria que sua filha residia agora no complexo do Alemão.

Júlia, jovem humilde moradora do complexo do Alemão, em fim conquistara uma bolsa integral na universidade para Direito.
Porém, viu seus planos serem um tanto mudados, quando em determinado dia, recebe a visita de sua prima visivelmente atordoada e ferida, segurando uma criança.

No mesmo momento, sua prima lhe sugere que fique com a criança.
Pensando se tratar da filha da prima, Júlia aceita o pedido, e passa a criar a menina como se fosse sua filha.

Sua prima Talita, envolvida com um traficante do morro, vem a ser morta dias depois, deixando o mistério no ar.

Será que a garotinha era mesmo sua filha?
Por que todo o interesse de seu namorado em dar um fim na criança e ter desaparecido então, com a prima de Júlia?

Tais perguntas são respondidas, quando Ricardo, tendo a confirmação de que sua filha estaria no morro, determina uma busca na casa de Júlia.

Efetuando a prisão de Júlia e resgatando novamente o seu maior tesouro, Ricardo se vê no dilema de que a menina não sabe mais ficar longe da mulher que durante esses seis anos aprendeu a chamar de mãe.

Mesmo tentando manter a filha distante daqueles que imagina serem seus sequestradores, Ricardo se vê obrigado a permitir a entrada de Júlia em sua casa, após observar a filha em forte febre emocional.

Sob fortes emoções, Ricardo precisa lidar com a raiva daqueles que mantiveram sua filha afastada de si durante tanto tempo,
e o desejo pela mulher que lhe chamou atenção em uma operação antes de ter as informações de que sua filha estaria morando no morro.

Sucesso do Wattpad e relançamento na Amazon, o primeiro volume da Trilogia Homens da Lei nos surpreendeu, novamente.

Mais leve, mais agradável de se ler, mais fofinho e empolgante.

Mais carregado em valores familiares, menos pesado em preconceitos pela parte do delegado.

Nessa versão da obra, percebi um ponto mais costurado, que acaba por não entregar totalmente o jogo antes do tempo.

Tendo um casal cabeça dura, a autora consegue nos deixar aflitos do início ao fim da obra, dando a entender que de alguma forma, o romance pode não acontecer.

Nisso, conseguimos chegar ao fim mais de duas vezes, sem sequer ler metade da história. Nos enganando, é claro.

Quem tem coragem de ler a última página?

Tendo a mudança definitiva de diversos personagens, podemos observar um bom exemplo da menina Sofia.
esta agora, está menos rebelde, apelando para a educação impecável, destacando o tal peso em valores familiares que fiz referência anteriormente.

Certos casais acabam por tomar outros rumos, filhos que antes seriam determinados a algumas pessoas, mudam de papel.
Exemplo de Gustavo que seria adotado por Ricardo, e agora é filho de André.

Anteriormente, a obra tinha sido idealizada em formato final feliz, costurando totalmente os ciclos ao fim da trama.
Obviamente, isso não acontece nessa versão. E é o que deixa tudo muito mais emocionante.

Sim, considerei pertinente o posicionamento da autora em meio a pensamentos, descrições e narrativas da obra.
Porém, atento para o ponto de que em alguns momentos, tais comentários acabavam por se estender até de mais. Ou, vinham em uma curta pausa de tempo.
São meras observações que sendo vistas, colaborarão e muito para a tranquilidade dos próximos aguardados volumes da trilogia.
Porém, tais detalhes não diminuem a beleza da obra, de maneira alguma!

Sou suspeito em dizer. Afinal, me tornei fã do casal Júlia e Ricardo, desde a primeira versão.
Mesmo que esse viesse com seus diversos defeitos, não havia como não se apaixonar.
Porém, esse de agora está bem mais rico em detalhes, o romântico nato que deve ser admirado e respeitado como digno homem de família.

Júlia, muito mais marrenta, bem mais madura!
Falando a verdade, o casal amadureceu. E isso nos prende!
Muito nos inspira.

A autora diz ter assumido um risco, acertando pontos e tendo de manter outros.
E querem saber a verdade?
Que sensibilidade para fazer a coisa certa!

Se a ideia era nos prender em sua obra e nos deixar ansiosos para os próximos volumes, não sei da parte de vocês. Mas de minha parte, ela realmente conseguiu.

Pra você que curte uma obra bem construída em valores familiares, com uma trama bem elaborada, um tanto picante e que te prenda do início ao fim,
Delegado Avilar, o primeiro volume da Trilogia Homens da Lei é para você!

Autor: da redação

Cronista, locutor, universitário, apreciador assumido de R&B, POP e MPB. Respira o romance 24:00. Por isso, embarca em dois romances incompletos, os quais um dia sonha em terminar. Atualmente sustenta uma coluna pública no site Recanto das Letras, e escreve com mais liberdade em seu próprio blog. Já tentou ser músico, se aventurou em meio ao teatro, e ainda arrisca algo no meio humorístico. Adepto a produção publicitária, se descobriu locutor na maior idade, e faz disso um complemento a todo o seu trabalho. Apaixonado pela literatura antiga, mas não abre mão de obras atuais para passar o tempo, por mais que esteja constantemente garimpando por obras inspiradoras, e as encontrando. Admira escritores que se destacam em descrever com perfeição os sentimentos, e faz disso sua inspiração. Gosta de viajar, conhecer novas pessoas, se aventurar em meio a novos assuntos, se inspirar e escrever sobre tudo aquilo que tem oportunidade. Ama a vida, admira sorrisos sinceros, se dedica em ajudar em tudo que esteja ao seu alcance, e luta diariamente por um mundo melhor. Vive com todos e por todos, em uma união de equilíbrio, paz e luz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *